Skip links
Existe estupro culposo Mariana Ferrer

Existe estupro culposo?

Share

Você se lembra do caso Mariana Ferrer? Foi uma polêmica que abalou as estruturas de nosso ordenamento e promoveu diversas reflexões. Neste texto, iremos entender o caso, de onde surgiu a expressão “estupro culposo” e o que veio a ser a Lei Mariana Ferrer.

O caso de Mariana Ferrer 

Mariana Ferrer, uma jovem influenciada digital, acusou um empresário de estupro durante uma festa em um clube renomado de Florianópolis. O caso ganhou grande repercussão devido à forma que ocorreu no sistema judiciário.

Durante a audiência do caso, Mariana foi submetida a uma série de humilhações e constrangimentos por parte do advogado de defesa do acusado. Perguntas feitas e até mesmo ofensivas foram dirigidas à vítima, o que gerou indignação e revolta na sociedade. Muitas pessoas, inclusive famosos e influenciadores, se manifestaram nas redes sociais, usando a hashtag #JustiçaporMarianaFerrer, exigindo respeito e justiça para o jovem.

Na onda de publicações sobre o caso, a primeira delas foi a que acendeu a maior polêmica. Uma jornalista ligada ao jornal de The Intercept, ao tentar trazer luz ao caso, iniciou uma hashtag com os seguintes dizeres: “não existe estupro culposo”. Na matéria, a jornalista fazia transparecer que a absolvição do réu se deu por interpretação equivocada da norma pelo magistrado. 

Nada disso. O jovem empresário foi absolvido porque não havia provas suficientes para sua condenação. Nesse sentido, o magistrado entendeu que, no caso, o réu teria interpretado que a relação entre ele e Mariana se deu de forma consensual, dado o contexto fático. Então, nunca houve sequer a menção de ter ocorrido um estupro culposo. O estupro é crime punido apenas a título de dolo, ou seja, quando o réu tem vontade e consciência do pratica. 

No entanto, apesar de a absolvição do jovem empresário não ser um absurdo, a forma que Mariana foi tratada é problemática. 

Ela, constrangida com toda aquela situação, acaba atacando o advogado do réu e sendo atacada por ele. Inclusive, talvez tenha sido esse cenário belicoso que gerou toda essa comoção. Como consequência do holofote, veio a Lei Mariana Ferrer.

A lei Mariana Ferrer

A Lei Mariana Ferrer, também conhecida como Lei da Vítima, é uma legislação brasileira que tem como objetivo principal garantir o respeito e a dignidade das vítimas de crimes sexuais durante o processo judicial Essa lei estabelece diretrizes claras para a condução dos processos relativos a crimes sexuais, garantindo que as vítimas sejam tratadas com dignidade e respeito em todas as etapas do procedimento jurídico. Isso inclui desde o momento do registro da ocorrência policial até o julgamento do caso. 

Entre os principais aspectos abarcados pela Lei Mariana Ferrer, destacam-se a exclusão de expor a intimidação da vítima em momentos de depoimento, a garantia de que o advogado de defesa não utiliza argumentos que a culpabilizem ou a desacreditem, bem como uma obrigação de promoção um ambiente de acolhimento e apoio à vítima durante todo o processo.

 Além disso, a Lei Mariana Ferrer também busca conscientizar a sociedade sobre a importância da prevenção e combate aos crimes sexuais, por meio de ações educativas e campanhas de conscientização. Dessa forma, espera-se que a lei contribua para a mudança de paradigmas em relação ao tratamento das vítimas, reduzindo as revitimizações e promovendo uma justiça mais eficaz e humana.

Em suma, a Lei Mariana Ferrer é um importante instrumento legal que visa garantir os direitos e a dignidade das vítimas de crimes sexuais. Sua implementação, aliada à conscientização e educação, desempenha um papel fundamental na construção de uma sociedade mais justa e inclusiva.

Conclusão

Após terminar essa leitura você pode compreender melhor o que foi o caso Mariana Ferrer e a lei que originou desse atrito. 

Curtiu esse conteúdo? Sinta-se convidado para explorar o nosso blog. Garanto que os outros posts também irão lhe agradar. Foi vítima de um crime sexual e quer a punição do autor do crime? Chame-me no Whatsapp, podemos marcar uma reunião em meu escritório.